Contagem regressiva Endzone Brasil – Ryan Tannehill

perfil 17 - tannehill cópia

Apesar de ainda não ser um quarterback consagrado, Ryan Tannehill vem mostrando jogo após jogo que tem condições de ser titular do Miami Dolphins. Muito questionado quando foi escolhido na primeira rodada do Draft 2012 pelo time da Florida, aos poucos ele foi conquistando o torcedor. Ainda um pouco irregular, Tannehill espera ter mais proteção de sua linha ofensiva para mostrar seu talento em 2014.

Natural de Lubbock, Texas, o jovem jogou em diversas posições ao longo do colegial: cornerback, wide receiver, quarterback e até punter. foi como QB o ano de mais sucesso, liderou o time da Big Spring High School aos playoffs. Seu dinamismo chamou atenção de Texas A&M, que ofereceu e ele uma bolsa de estudos. Quarterback reserva do reserva em sua primeira temporada na universidade, foi deslocado para WR pelo técnico Mike Sherman. Mal sabia ele que seria o mesmo treinador que o levaria para NFL alguns anos depois.

Tannehill jogou dois anos nos Aggies como wide receiver. Um bom jogador, nada mais. Assumiu a posição de QB somente no meio da terceira temporada, não saiu mais. Em apenas 20 jogos como titular em um ano e meio, lançou mais de cinco mil jardas e 42 touchdowns. Além dos números, correu as 40 jardas do Combine em 4,58 segundos.

Seu estilo chamou a atenção do Miami Dolphins, que sofria com seus últimos QBs. O time surpreendeu a todos e selecionou Ryan com a oitava escolha geral, um pouco antes do que se esperava. O último quarterback que a franquia havia selecionado em uma primeira rodada foi nada menos que o membro do Hall da Fama Dan Marino. Claro que o fato do time ter contratado Sherman como coordenador ofensivo ajudou, ele foi técnico de Tannehill nos três anos dele em Texas A&M.

O camisa 17 ganhou a posição de titular antes mesmo da temporada 2012 começar. Teve uma temporada até boa, mas inconsistente em alguns momentos. Alguns problemas com a mecânica do passe preocuparam o torcedor dos Dolphins. Apesar disso, bateu vários recordes de Marino em sua temporada de calouro.

Melhorou consideravelmente em 2013, mas sofreu demais com a fragilidade de sua linha ofensiva. Os problemas extra campo aliados a fragilidade de alguns atletas resultaram em um desastre completo, Tennehill sofreu demais para conseguir ficar em pé no pocket.  Foi disparado o quarterback que mais sofreu sacks, 58 no total.

A maior preocupação dos Dolphins na última offseason foi renovar a linha de frente, certamente o camisa 17 terá mais tempo para lançar. Pode ser que demore um pouco para as boas atuações surgirem, pois terá que decorar e entender um esquema de jogo completamente novo trazido pelo coordenador ofensivo, Bill Hazor. A parceria de seis anos com Sherman acabou, Tannehill terá que provar sua capacidade no esquema rápido e dinâmico do discípulo de Chip Kelly, técnico dos Eagles.

Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+

Comentários