Entenda a força da “Legion of Boom”: os caras do Seattle Seahawks

boom siteEm uma NFL a cada ano mais voltada para o ataque, o Seattle Seahawks chega ao Super Bowl 49 com os holofotes voltados para sua fortíssima defesa. Não é exagero dizer que esse grupo é um dos melhores de todos os tempos, por dois anos seguidos a “Legion of Boom” liderou a grande maioria das estatísticas defensivas, números que podem ser comparados aos Steelers de 76, os Bears de 85 ou os Ravens de 2000.  Como explicar o segredo de tanta eficiência em uma era de marcada pelo poderio ofensivo?

Antes de falar sobre os membros da secundária, é necessário explicar alguns fatores que tornam esse grupo fora de série. O primeiro deles é a forte preparação feita pelo coordenador defensivo Dan Quinn, com horas de vídeos sobre os adversários. Análises de leitura corporal, do jeito que o WR sai do huddle e vai para a jogada, de como o quarterack posiciona as mãos… Esse foi um dos motivos do último Super Bowl ter sido um atropelamento, a secundária sabia o que Peyton Manning ia fazer pela leitura de suas mãos, tinha a porcentagem de vezes que uma certa jogada era feita em cada descida.

Além desse estudo, o técnico Pete Carroll tem como lema dentro do grupo “sempre defender com os olhos”, ou seja, jogar com a cabeça erguida. Parece algo básico, mas na prática não é. Isso se torna fundamental na NFL moderna, baseada em passes curtos encontrando jogadores com espaço para avançar. Com uma visão geral do que acontece na jogada, a chance de sucesso é muito maior.

Claro que de nada adianta estudo e visão, se não for executado com perfeição. Esse é o principal diferencial desse time. Tudo se baseia em eliminar as jardas após a recepção. O grande segredo desse time não é evitar todo e qualquer passe, mas fazer o avanço parar no momento da recepção. O time foi o segundo em jardas cedidas após a recepção, lidera a NFL em jardas cedidas por jogo, 185,6.

-> CONFIRA TUDO SOBRE O SUPER BOWL 49

thomasIsso porque o time raramente erra um tackle, Quinn estuda com os atletas vídeos de rugby e até luta greco-romana para aperfeiçoar a técnica. O posicionamento é exemplar, tanto em cobertura homem a homem como por zona. Geralmente eles utilizam formações que misturam os dois: marcação de zona no meio, geralmente com o safety Kam Chancellor próximo da linha de scrimmage, Earl Thomas marcando sozinho o fundo do campo e os CBs na marcação individual. (veja gif ao lado).

Dito isso, uma análise mais aprofundada nas engrenagens que movem a “Legion of Boom”:

CB Richard Sherman – o ‘shut-down cornerback’

shermannLíder do grupo e falastrão, muitas vezes fica com fama de mau-caráter pelas declarações. Na realidade, gostem ou não, Sherman é extremamente esperto. Sabe como ninguém mexer com o psicológico dos adversários, tirando vantagem disso. Além do atleticismo diferenciado, o camisa 25 é muito inteligente dentro do campo com relação rotas e formações, muito por ter jogado de WR no passado.

Não é a toa que os quarterbacks adversários evitam lançar no lado que o cornerback está posicionado, geralmente o esquerdo. Mesmo assim ele computa 24 interceptações nos primeiros anos na liga, terceira melhor marca de todos os tempos. Muito por conta de ser genial também no começo das jogadas, é o melhor CB da NFL pressionando os wide receivers dentro das cinco jardas permitidas.

 

CB Byron Maxwell – 0 novato

maxwellMuito se falou no começo da temporada se o CB estava apto a substituir permanentemente Brandon Browner, que deixou o time rumo ao New England Patriots. Maxwell mostrou que a aposta em seu potencial foi correta, ele manteve o alto nível da defesa, que foi pelo segundo ano seguido a melhor da NFL.

Muitas vezes nas sombras dos jogadores mais famosos, ele trabalhou bastante nesta temporada. Visto como elo mais fraco no esquema de Carroll, os quarterbacks lançaram 78 bolas em sua direção ao longo do ano, ele cedeu uma média de 12,8 jardas por recepção. Mesmo atuando quatro jogos a menos que os demais, por conta de lesões, ele foi o sexto do time com mais tackles (40), desviou 12 bolas. Se os Seahawks não renovarem seu contrato, será um dos free agents mais cobiçados da próxima janela.

 

SS Kam Chancellor – a intensidade

chancellorO jogador mais dominante da “Legion of Boom”. Pelo porte físico que possui, ele é extremamente ágil, em muitas formações ele atua como um linebacker atrás da linha defensiva. Um dos principais responsáveis pelo sucesso do time contra o jogo corrido ao longo dos anos. Muitas vezes considerado violento, por tackles em jogadores visivelmente menores, Chancellor é a alma dessa defesa. Ele possui 375 tackles, oito interceptações e cinco fumbles forçados nos últimos quatro anos.

Inteligente na leitura das jogadas, parece estar em todos os lados do gramado. Apesar do tamanho, é capaz de cobrir passes longos com eficiência, principalmente em jogadas com tight ends adversários. Ele anulou totalmente Jimmy Graham nos últimos confrontos, deve ser o principal responsável por marcar Rob Gronkowski no próximo domingo.

 

FS Earl Thomas – 0 cérebro

thomasTodo esse esquema citado acima só é possível na prática porque Earl Thomas está em campo. Nem sempre o mais falado, o camisa 29 é indiscutivelmente o principal jogador da “Legion of Boom” taticamente falando. Sua velocidade e atleticismo são cruciais para o sucesso do esquema. Ele geralmente fica sozinho cobrindo todo o meio da secundária, permitindo ao strong safety Kam Chancellor alinhar próximo aos linebackers.

Com ele no fundo da secundária, Seattle ganha praticamente um homem a mais no gramado. Feroz em todas as jogadas, é um dos melhores jogadores da NFL atual. Foi o líder em tackles na temporada regular (80), forçou quatro fumbles em 2014. Começou todos os 88 jogos da carreira como titular, não será uma pequena lesão que impedirá o monstro de estar em campo no University of Phoenix Stadium.

Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+

Comentários