Análise de elenco e posições carentes no Draft: NFC South

BARRA FALCONS

Após a troca de comando técnico em 2015, o  Atlanta Falcons surpreendeu a todos com uma série inicial de cinco vitórias seguidas, mas o time não conseguiu manter a pegada pelo restante da temporada. No final do ano, o técnico Dan Quinn se mostrou satisfeito com uma campanha de 8-8 em seu primeiro ano como head coach. A franquia tem tudo para alçar voos mais altos em 2016, trazendo jogadores que encaixam no esquema do ex-coordenador defensivo do Seattle Seahawks.

falcons

falcons draftO time se reforçou bem no período free agency, nomes como Coutney Ushaw e Derrick Shelby chegam para melhorar consideravelmente o front seven da equipe. Além da defesa, um dos motivos dos Falcons terem ficado pelo caminho foi a linha ofensiva, Matt Ryan foi ao chão 32 vezes ao longo do ano. O renomado center Alex Mack, um dos melhores da liga, chega para dar estabilidade ao setor. Falando ainda em ataque, Mohamed Sanu chega dos Bengals para o papel de WR2 que Roddy White não conseguia mais desempenhar, TE Jacob Tamme assume uma posição abandonada desde a aposentadoria do mito Tony Gonzalez.

Atlanta foi o time que menos computou sacks em 2015, 19 apenas, mesmo com os reforços que chegaram o time precisa reforçar com urgência o pass-rush, com jogadores versáteis que encaixem no sistema de Dan Quinn. Primeira escolha de 2015, Vic Beasly foi relativamente bem, mesmo com algumas lesões ao longo do ano. O jovem tem potencial, agora é preciso de alguém para pressionar no lado oposto. A secundária do time também precisa de ajuda, um safety deve chegar com as escolhas intermediárias.

BARRA PANTHERS

O Carolina Panthers foi o time do momento em 2015, com um ataque dinâmico comandado pelo QB Cam Newton (que venceu o prêmio de MVP) e uma defesa agressiva e explosiva. Muitos apostaram nos Panthers antes do Super Bowl 50, mas o promissor time não foi capaz de furar a fantástica defesa do Denver Broncos. O título não veio, mas a certeza que a franquia está no caminho certo deve permanecer em Charlotte.

panthers

panthers draftFalando de quem chegou, Boykin é um bom nickelback, Soliai reforça o interior da linha, os outros dois chegam para compor elenco. A base foi mantida,  reforços pontuais chegaram, mas alguns nomes que deixaram a equipe podem fazer muita falta no decorrer do ano, principalmente o do CB Josh Norman. Os Panthers chocaram o mundo da NFL retirando a ‘franchise’ tag e liberando o jogador, que deve assinar com outro clube a qualquer momento. Se cornerback não era uma das prioridades do time no começo do mês, agora passou a ser.

Quem não se lembra de como Von Miller destruiu o RT Mike Hemmers no último Super Bowl? Muitos podem discordar, mas creio que os Panthers precisam de offensive tackles nos dois lados da linha ofensiva. Do lado esquerdo, Michael Oher não é o left tackle dos sonhos, o time precisa de um novo talento para ser trabalhado e assumir o posto daqui a algum tempo. A chegada de Trenton Robinson não significa que o substituto de Roman Harper já está acertado, a equipe precisa e deve buscar um jovem safety no Draft.

BARRA SAINTS

Nos últimos dois anos o New Orleans Saints liderou a NFL em jardas no ataque, mas acabou o ano com campanhas abaixo do esperado: 7-9. Como explicar isso? Apesar do time contar com a dupla Sean Payton e Drew Brees para anotar pontos, a defesa foi simplesmente horrorosa em 2014 e 2015, a pior da NFL em jardas cedidas no período. Para o time voltar a ser aquele candidato a Super Bowl de alguns anos atrás, precisa com urgência arrumar o setor defensivo.

saintss

saints draftA promessa de reforçar a defesa foi cumprida logo no início do período de free agency, três linebackers e um defensive tackle chegaram para dar mais qualidade ao elenco. A chegada de Laurinaitis foi fundamental, um MLB de qualidade que possibilita o promissor Stephone Anthony utilizar todo seu atleticismo no strong side (quebrou o recorde da equipe de tackles na temporada de calouro). Robertson e Stupar devem brigar pela posição restante com outra promessa do ano passado: Hau’oli Kikaha, segunda escolha de 2015. No meio da linha, Nick Fairley, em teoria, é um bom reforço.

Alguns nomes chegaram na defesa, mesmo assim o setor deve ser prioridade máxima no próximo Draft. Cameron Jordan é um baita talento, mesmo assim a equipe foi a 5º pior da NFL no número de sacks. O time precisa com urgência de um DE pass-rusher do lado esquerdo, ele deve vir na primeira escolha do time. No ataque, os Saints trouxeram Coby Fleener para o lugar de Ben Watson, mas nenhum WR para preencher o espaço do dispensado Marques Colston. Brandin Cooks é muito bom, Willie Snead teve bons momentos, mas outro WR deve vir no próximo Draft.

BARRA BUCCANEERS

As seis vitórias em 2015 podem não parecer grande coisa, mas comparado com a desastrosa campanha de 2-14 em 2014 foi um belo progresso. Muito pode ser colocado na conta da franquia ter encontrado em Jameis Winston o quarterback do futuro, o jovem passou das 4 mil jardas e lançou 22 touchdowns na temporada de calouro. O ataque no geral foi muito bem, o quinto melhor em jardas totais. Mérito de uma administração que focou na revitalização do setor via Draft, 12 das 13 escolhas dos Bucs nos últimos anos foram em jogadores do ataque.

buccaneers

draft bucsMesmo com essa notória melhora, o técnico Lovie Smith foi demitido do cargo, a direção do time resolveu dar uma chance e efetivar o coordenador ofensivo Dirk Koetter como head coach. A renovação do RB Doug Martin foi fundamental para manter a base do bom ataque de 2015. A linha ofensiva também ganhou um reforço no período free agency, JR Sweezy chega dos Seahawks para assumir o posto de guard do lado esquerdo, no lugar do aposentado Logan Mankins.

Mesmo antes da dispensa de Smith, estava claro que o foco nos Bucs em 2016 seria na defesa. Apesar de ser o 10º melhor contra o passe, o grupo possui algumas carências, algumas delas foram sanadas no período free agency. Um DE agressivo e um cornerback de qualidade chegaram, mas a secundária ainda precisa de ajuda. Os QBs adversários tiveram um rating de 102,5 lançando contra os Bucs, foram 31 touchdowns aéreos sofridos em 2015. Caberá ao novo coordenador defensivo, Mike Smith (ex-Falcons), o papel de melhorar as peças que estão lá e buscar bons talentos no próximo dia 28.

Compartilhe!Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+

Comentários