Análise de elenco e posições carentes para o Draft 2018: AFC West

Ao longo dos próximos dias o Endzone Brasil chega com um especial analisando os elencos e as carências das 32 equipes da NFL dias antes do tão esperado Draft na próxima quinta-feira (26). Hoje é dia de falar da AFC West!

Número de escolhas no Draft 2018: Oito
Três principais contratações:  Case Keenum (QB), Jared Veldheer (OT) e CB Tremaine Brock (CB)
Três posições carentes para o Draft: Quarterback, guard e running back

O começo de temporada do Denver Broncos pareceu bem promissor, um 3-1 contra equipes, em teoria, difíceis, eis que o time volta do bye na semana 6 e perde oito jogos consecutivos! Como explicar esse colapso? Apenas três nomes: Trevor siemian, Brock Osweiller e Paxton Lynch. Os três QB foram se revezando, sem sucesso, ao longo do ano – o que escancarou a principal fraqueza de uma equipe que em um passado não tão distante foi campeã do Super Bowl.

Após uma temporada absolutamente fora da curva, Case Keenum chegou dos Vikings, para, em teoria, assumir o posto de titular a curto prazo. Agora, será que o real Keenum é aquele que foi uma lástima nos Rams ou o que levou Minnesota à final da NFC? Com a quinta escolha geral, Denver precisa SIM voltar suas atenções para um dos jovens QBs da classe. Agora, como a tendência é de que dois a três times escolham um quarterback na sua frente, não se surpreenda com a equipe dando um tradedown se o seu nome favorito já estiver fora da mesa.

Outra possibilidade é a escolha de Quinton Nelson – indiscutivelmente o melhor prospecto de linha ofensiva. Como a linha segue bastante criticada, seria um modo de dar a Keenum mais tranquilidade com a camisa dos Broncos. Com a saída de CJ Anderson, um running back dessa ótima classe certamente deve chegar, mas sonhar com Saquon Barkley é um pouco demais. Será que os Browns terão a capacidade de passar o melhor talento do Draft duas vezes? Nem eles fariam uma loucura dessa.

Número de escolhas no Draft 2018: Oito
Três principais contratações: Sammy Watkins (WR), Anthony Hitchens (LB) e Kendall Fuller (CB)
Três posições carentes para o Draft: Pass rusher, cornerback e guard

Se me perguntassem qual seria a final da AFC ao final da semana 5, eu certamente responderia Kansas City Chiefs x New England Patriots. Acontece que, após um começo arrasador, os comandados de Andy Reid foram perdendo o fôlego e por muito pouco não ficaram de fora dos playoffs – mesmo uma AFC West mais fraca do que em anos anteriores. Após abrir 21 a 0, o time levou uma virada inexplicável do Tennessee Titans e saiu da pós-temporada de forma precoce.

Estava na cara que cabeças iriam rolar – e a primeira a ir para a guilhotina foi a do quarterback Alex Smith. Após anos medianos e muita contestação em momentos decisivos, o QB foi trocado com os Redskins e dá o lugar para o promissor Patrick Mahomes. O jovem foi a escolha de primeira rodada dos Chiefs no ano passado e, com um canhão no braço, chamou a atenção da comissão técnica. Será mesmo que ele pode comandar esse bom ataque em 2018?

Para isso, será vital que Kansas acerte alguns pontos fracos da linha ofensiva – especialmente o de left guard. Na defesa, a franquia certamente vai atrás de pass-rushers para o lugar de Tamba Hali e um cornerback playmaker para substituir Marcus Peters – que fez as malas e foi para os Rams.

Número de escolhas no Draft 2018: Sete
Contratações:  Michael Schofield (OT), Mike Pouncey (C) e Virgil Green (TE)
Três posições carentes para o Draft: Defensive tackle, right tackle e quarterback para o futuro

Mais um ano dos Chargers sendo os Chargers. Assim como em 2016, o time começou o ano devagar e perdeu os quatro primeiros jogos – alguns deles de maneira bem boba. A equipe embalou a partir da semana 5 e teve uma arrancada espetacular, mas o péssimo início custou uma das vagas da acessível AFC. Los Angeles terminou o ano 9-7 e não se classificou por critérios de desempate! Não tenho dúvidas que esse time poderia ter feito muito mais barulho que Bills, Titans e Chiefs nos playoffs.

Talvez o principal foco seja corrigir a fragilidade contra o jogo corrido – o time foi o segundo pior contra corridas cedendo uma média de 131 jardas terrestres por jogo. Além de mais bife no meio de Joey Bosa e Melvin Ingram, mais ajuda na linha de linebackers também iria bem.

A linha ofensiva recebeu atenção na intertemporada e terá o retorno de Forrest Lamp, mas ainda sim precisa de mais estabilidade na posição de right tackle. Agora, como o último QB selecionado pela franquia foi o próprio Philip Rivers em 2004, em uma troca com os Giants, está mais do que na hora da franquia pensar em um substituto. E não me venha falar em Geno Smith.

Número de escolhas no Draft 2018: Onze
Três principais contratações:  Jordy Nelson (WR), Doug Martin (RB) e Tahir Whitehead (LB)
Três posições carentes para o Draft: Defensive tackle, cornerback e inside linebacker

E o Oscar de maior decepção de 2017 vai para: Oakland Raiders! Se tal premiação realmente existisse, seria uma barbada. Aquele time que muitos analistas, incluindo este que vos fala, colocavam como forte candidato a Super Bowl antes do ano começar jamais saiu do papel. Embora Derek Carr tenha caído de produção, muito pelas lesões da linha ofensiva, e o ataque como um todo tenha decepcionado, o que mais deixou a desejar foi a defesa.

Como pode um grupo projetado para ser top 10 acabar o ano como 20º cedendo pontos e 23º em jardas? Não foi a toa que Oakland foi ao mercado e trouxe nada menos que 12 reforços nos três setores! Mesmo assim a equipe precisa de mais bife no miolo da linha defensiva e outro cornerback com calibre para ser titular.

Aparentemente, não há muitos pontos fracos nesse elenco, a chegada de Jon Gruden vai provar se realmente a montagem do elenco do ano passado foi uma ilusão ou se Jack Del Rio não soube fazer uma limonada com os vários limões gordos que deram na mão dele. Por enquanto, a franquia segue como um grande ponto de interrogação.

Comentários