Prévia da temporada 2018: Como será o ano do New York Giants

Promessa de dias melhores após o desastroso 3-13

Antes da temporada 2017 começar, a expectativa era de Super Bowl pelos lados do New York Giants. Quem diria que uma equipe que havia vencido 11 partidas em 2016 despencaria para uma trágica campanha de 3-13 no ano seguinte? Com um corpo técnico e diretivo totalmente reformulado, a esperança pelos lados da Big Apple segue a mesma: dar ao veteraníssimo Eli Manning uma última chance de título antes do fim da carreira.

Questionado sobre o termo ‘reformulação’ nas primeiras semanas de trabalho, o novo técnico, Pat Shurmur, descartou a possibilidade disse em alto e bom tom que a ideia da franquia é de vencer agora. Para isso, será preciso consertar os vários e vários erros cometidos na última temporada. Será que é possível dar a volta por cima?

Saquon Barkey promete dar outra dinâmica ao ataque

Os Giants de 2016 eram apoiados em dois pilares: uma defesa muito forte e na habilidade fora do comum de Odell Beckham Jr em agarrar passes. Portanto, é possível entender um 3-13 se levar em conta que o time não teve nenhuma das duas coisas em 2017.

O ataque entrou em colapso depois que OBJ quebrou o tornozelo na semana 5 – muito pela falta de alternativas no setor. Pensando nisso, os Giants trataram de corrigir um problema já crônico: o jogo terrestre. Ao invés de ir atrás de um QB, o novo general manager utilizou a segunda escolha geral do último Draft no RB Saquon Barkley – um dos melhores prospectos dos últimos anos no futebol americano universitário. A promessa é de um ataque bem mais equilibrado – com Barkley e o veterano Jonathan Stewart tirando boa parte da pressão dos ombros de Eli.

Aliás, a tendência é de que Manning tenha um desempenho melhor do que nos últimos dois anos – visto que finalmente a franquia acordou para a vida e reforçou uma linha ofensiva simplesmente horrorosa. Nate Solder chega dos Pariots por um caminhão de dinheiro e deve assumir o posto de left tackle – deslocando Erek Flowers para a ponta direita. O time também gastou a escolha de segunda rodada em Will Hernandez – bom prospecto que deve ser o left guard titular logo de cara.

>>>Veja a nossa página com todas as prévias da temporada 2018

Defesa muda para um agressivo 3-4

Embora muitos creditem a desastrosa campanha as várias lesões no ataque, vale ressaltar que foi a desesa que despencou de produção de um ano para o outro: de 2ª em 2016 para 27ª em 2017. O feroz pass-rush não conseguiu repetir o desempenho – o que deu aos QBs adversários mais tempo para castigar uma secundária muito mais vulnerável e com problemas de relacionamento.

A promessa é de dias melhores no setor com a troca do 4-3 para o agressivo 3-4 do novo coordenador defensivo – James Bettcher. Mesmo sem Jason Pierre-Paul, que foi trocado por problemas no vestiário, a expectativa é de várias formações de blitz com Damon Harrison, Olivier Vernon e o recém-chegado Kareem Martin. O linebacker Alec Agletree também deve contribuir demais em um grupo de linebackers com alguns poblemas.

Com mais pressão, a secundária deve ficar menos exposta. Janoris Jenkins perdeu mais da metade da última temporada por lesão e é o principal reforço desse grupo que não viu grandes contratações. Tido como a ‘maçã podre’ dos vestiários, sem trocadilhos, Eli Apple continua no elenco e pode contribuir bastante se mudar a postura. Seu substituto imediato, o calouro de terceira rodada Sam Beal, sofreu uma grave lesão no ombro e infelizmente não entrará em campo em 2018.

Favoritismo em 2018

Se o New York Giants conquistar o terceiro Vince Lombardi da era Eli Manning você pode faturar mais do que imagina: segundo dados do Oddsshark.com, a chance do time ganhar o Super Bowl é de 41 para um! New York é o 13º favorito para vencer a NFC, com 29 para um, e o terceiro para conquistar a NFC East: R$7,50 para cada real investido.

Vai até onde?

A realidade do elenco atual dos Giants é melhor do que o 3-13 de 2017 e pior do que o 11-5 de 2016 – talvez no meio disso. O fato do New York Giants não ter buscado um QB no último Draft deixou claro que a franquia ainda acredita em Eli Manning – que ele pode voltar a render se for bem protegido. Será? Tenho minhas dúvidas. Certamente o veterano deve render  mais ao lado de Barkley e com uma linha mais consistente, agora, título? Creio que não. O time deve fazer uma campanha mediana em 2018 – o que já é um progresso depois da temporada passada desastrosa.

Previsão: 3º da NFC East

Comentários