Como Peyton Manning levou a partida para a prorrogação

ANÁLISE TÁTICA

É chover no molhado gastar vocabulário sobre como Peyton Manning é sensacional. Esta análise tática vai demonstrar um pouco o porquê. O drive final dos Broncos contra os Seahawks do último domingo (21) mostra muito bem o motivo do quarterback ser considerado o melhor de todos os tempos lendo defesas adversárias. O que Manning fez no CenturyLink Field foi coisa de gênio: perdendo por 8 pontos, com 59 segundos no relógio e sem tempos para pedir, avançou 80 jardas em seis jogadas e levou a partida para prorrogação. Entenda como ele fez isso.

Assim como no último Super Bowl, Manning sofria demais para encaixar o jogo aéreo diante da forte secundária dos Seahawks, computou apenas 141 jardas aéreas nos três primeiros quartos de partida. Se já é complicado lançar a bola contra a “Legion of Boom” no decorrer de um jogo, imagine quando eles já estão esperando o passe. Apesar da dificuldade, uma jogada em particular funcionou, o camisa 18 resolveu utilizá-la várias vezes na hora do desespero.

Primeiramente, Peyton utilizou o lado esquerdo da defesa dos Seahawks em todos lançamentos da campanha, para evitar Richard Sherman e Earl Thomas. Ao longo da partida, o camisa 18 percebeu que às vezes o defensor de Seattle responsável pela marcação do slot marcava por zona, então tirou vantagem disso. Na jogada, o WR principal e o slot receiver cruzam as rotas. Se por acaso o safety cair e ir atrás do wide receiver que corta pelo meio, o slot fica completamente sozinho quando corta pela lateral. Deixando claro que não se trata da jogada faltosa “pick play”, pois não há contato do WR com o defensor para o outro recebedor ficar livre.

CLIQUE NAS IMAGENS PARA AMPLIAR

1) Primeira para dez, linha de 20 do campo de defesa, 59 segundos

Graphic1Manning arriscou a jogada em questão já na primeira tentativa. Repare Emmanuel Sanders está na posição de slot, com Demaryius Thomas mais pelo lado esquerdo. Como já dito, eles cruzam as rotas, para tentar confundir a defesa adversária. Nesse caso, o passe é incompleto por dois motivos: primeiro, o nickelback Marcus Burley marca Sanders homem a homem, dificultando a separação. Mesmo assim, o recebedor teve uma janela minúscula para receber a bola, mas o passe do camisa 18 foi um pouco atrás do esperado.

2)Segunda para dez, linha de 20 do campo de defesa, 52 segundos

Graphic2 Ao ver a possibilidade de acerto, Manning insiste na jogada, dessa vez o passe é completo. Tudo que não funcionou na tentativa anterior dá certo. Burley fica na marcação por zona, dando algum espaço para Sanders. O passe também foi perfeito, dessa vez na janela correta entre a marcação por zona e o safety Kam Chancellor, que vai atrás de Thomas pelo meio.

Repare na liberdade do wide receiver em ambas as tentativas.

Graphic3

3)Primeira para dez jardas, 38 jardas do campo de ataque, 31 segundos
O camisa 18 rapidamente faz o famoso spike, que nada mais é encostar a bola no chão para caracterizar o passe incompleto, portanto, parando o relógio.

4)Segunda para dez jardas, 38 jardas do campo de ataque, 31 segundos
Denver coloca três recebedores do lado direito e apenas um do lado esquerdo. A jogada era designada para o running back Ronnie Hillman se infiltrar no espaço gerado pela esquerda e receber com algum espaço. O passe rápido é incompleto.

5)Terceira para dez jardas, 38 jardas do campo de ataque, 28 segundos

GraphicnovoExatamente o mesmo desenho da jogada anterior, mas com uma execução diferente. Aqui Manning faz o óbvio, mas com extrema qualidade. Demaryius Thomas realiza a clássica rota comeback: o recebedor passa um pouco a parca da primeira descida, para de correr e volta um pouco para receber a bola pouco depois da linha de first down. Ele utiliza com inteligência o matchup do melhor recebedor dos Broncos contra o pior CB dos Seahawks, Byron Maxwell. Jogada clássica nesse tipo de situação, pois é ótima contra cobertura homem a homem e para o cronômetro ao sair do campo. Quem joga Madden sabe disso.

6)Primeira para dez jardas, 28 jardas do campo de ataque, 21 segundos

Graphic5 Exatamente aquela jogada já explicada anteriormente, mas com uma pequena variação que fez toda diferença. Emmanuel Sanders, alvo anterior, volta a alinhar no slot, mas dessa vez do lado direito. Fato que faz com que o nickelback desça do lado direito para marcá-lo. O TE Jacob Tamme fica no slot do lado esquerdo, faz exatamente o que Sanders fez anteriormente.

Graphic6

 

O linebacker KJ Wright fica na marcação do tight end, mas não acompanha Tamme por toda rota. Mais uma vez o safety Kam Chancellor vai atrás de Thomas pelo meio, deixando um baita buraco na secundária. Sem ser encostado, o TE recebe a bola dentro da endzone e empata a partida.

 

Conversão de dois pontos

payaton.0Com o momento todo a seu favor, Manning não descobriu a roda na conversão de dois pontos. Rapidamente alinhado após anotar o TD, fez o óbvio: lançou uma bola alta no fundo da endzone para o seu melhor wide receiver. Thomas ganhou dos defensores e fez a recepção, empatando o confronto no CenturyLink Field.

Pena que Peyton Manning não teve mais a posse de bola na partida, os Seahawks ganharam no cara ou coroa e já anotaram um touchdown, não dando chance ao ataque dos Broncos voltar a campo. Uma pena para quem ama esse esporte.

Comentários