Contagem regressiva Endzone Brasil – Matt Ryan

perfil 2 - Ryan cópia

Em mais de quarenta anos de história, finalmente o torcedor do Atlanta Falcons pode bater no peito e falar: temos um quarterback. Desde suas primeiras aparições em Atlanta, Matt Ryan já mostrava o perfil de um QB vencedor. Não foi a toa que ganhou o apelido de “Matty Ice”, a frieza que ele mostra dentro do pocket é impressionante. Muito inteligente, lê as defesas adversárias e castiga com passes precisos. Líder nato, consegue extrair o máximo dos jogadores a sua volta. Possui todos os requisitos para fazer história na NFL.

Liderança latente desde a época de garoto, Ryan foi o capitão dos times de futebol americano, basquete e baseball no colegial. Era competente em todos os esportes, mas chamou mais atenção como quarterback da William Penn Charter School. Destaque que rendeu a ele uma bolsa de estudos na Boston College. Foi reserva no primeiro ano por lá, começou a ganhar espaço no time titular em 2005.

Matt Ryan é o cérebro do ataque dos Falcons

Titular absoluto nas duas temporadas seguintes, chamou atenção da mídia americana com performances espetaculares. Em 2007, venceu o Manning Award, prêmio dado ao melhor quarteback universitário do ano, e o Johnny Unitas Golden Arm, de melhor QB no último ano da universidade. Os analistas do Draft 2008 o colocavam como top 5, foi selecionado pelo Atlanta Falcons com a terceira escolha geral.

Logo se entrosou com o também recém-chegado técnico Mike Smith. Titular desde o começo do ano, foi o primeiro calouro da história a jogar todas as 16 partidas como titular e levar o seu time aos playoffs. Apesar das duas interceptações na derrota para o Arizona Cardinals no duelo de Wild Card, o camisa 2 lançou 199 jardas e 2 TD, quebrando o recorde de passes completo de um QB calouro em um jogo de pós-temporada (26).

Perdeu dois jogos por lesão no ano seguinte, mesmo assim levou os Falcons a uma temporada 9-7. Pela primeira vez na história a franquia teve mais vitórias do que derrotas em duas temporadas consecutivas. Voltou a pós-temporada em 2010 e 2011, mas a tão sonhada vitória custava em acontecer. Caiu diante de Green Bay Packers e New York Giants, equipes que viriam a ganhar o Super Bowl em seus respectivos anos.

Ryan quer esquecer 2013

Teve o melhor ano da carreira em 2012, ano em que viria a vencer nos playoffs pela primeira vez. Lançou 4719 jardas, 32 TDs e 14 INTs, liderou o time a uma impecável campanha de 13-3. O único triunfo em pós-temporada veio de forma dramática: os Falcons venciam por 20 pontos de diferença até o fim do terceiro quarto, mas levaram uma improvável virada do Seattle Seahawks no último período. Com 40 segundos no cronômetro, Ryan justificou o apelido de “Matty Ice”, posicionou seu kicker para o field goal da vitória. Na semana seguinte, perdeu a final da NFC para o San Francisco 49ers.

Após quase beliscar uma vaga no Super Bowl, muito se esperava dele e dos Falcons em 2013. Expectativa que ia por água abaixo a cada importante lesão que o time sofria, junto com a incapacidade da linha ofensiva de proteger seu quarterback. Foi o único ano que Ryan não teve mais vitórias que derrotas, encerrou o fatídico ano com uma campanha 4-12.

Saudável, esse grupo tem tudo para voltar ao caminho das vitórias em 2014. Matt Ryan deve ter um bom ano, quem sabe mais uma aparição nos playoffs. Talvez o título não venha nesta temporada, o que não seria o fim do mundo para o torcedor do Atlanta Falcons. Ele sabe que Matt Ryan eventualmente trará o primeiro anel de campeão do Super Bowl da história da franquia.

Comentários