Conheça um pouco mais do famoso “Ice Bowl” entre Cowboys e Packers

Bart Starr na jogada decisiva do duelo

Bart Starr na jogada decisiva do duelo

Com o confronto do próximo domingo (11) entre Dallas Cowboys e Green Bay Packers no congelante Lambeau Field, a lembrança do “Ice Bowl”, um dos jogos mais famosos da história do esporte, é praticamente inevitável. Os mesmos times, no mesmo palco, com condições climáticas parecidas 48 anos depois. Muito está sendo falado sobre a reedição da histórica final da NFL. Mas você conhece a história do duelo? O Endzone Brasil conta agora.

Pela segunda vez consecutiva, Cowboys e Packers se encontravam na final da NFL. Para que não haja confusão, não era o Super Bowl, que na época era disputado entre os campeões da NFL e da extinta AFL. O duelo, projetado nos dias de hoje, seria uma final de conferência. O clima era de rivalidade e revanche por parte dos Cowboys, pois o time  havia perdido a mesma final para os Packers no ano anterior (1966), por 34 a 27.

31 de dezembro de 1967. A temperatura no Lambeau Field na hora da partida era de -26 °C, com sensação térmica de -46 °C. Estava tão frio, mas tão frio, que os árbitros do duelo não usaram os os apitos metálicos para comandar as ações. Isso porque o árbitro Norm Schachter teve os lábios congelados quando apitou o início da partida, sofreu um sangramento na hora de tirar o apito da boca. Sentindo o drama do companheiro, os demais resolveram utilizar apenas comandos de voz.

Os Packers eram amplos favoritos no confronto, contavam com o apoio de 50 mil fanáticos presentes no estádio e estavam mais acostumados com as baixas temperaturas. Green Bay fez jus ao favoritismo no começo do embate, abriu 14 a 0 até com certa facilidade, em dois passes do lendário Bart Starr para Boyd Dowler.

Parecia uma fácil vitória, até porque o ataque dos Cowboys nada produzia, até os turnovers aparecerem no segundo quarto. Dois fumbles do time resultaram em 10 pontos de Dallas, um retorno de 7 jardas de George Andrie para touchdown e um field goal de 21 jardas.  O jogo seguiu 14-10 até o início do último quarto, quando os Cowboys viraram o duelo com uma jogada espetacular: passe de 50 jardas do running back Dan Reeves para Lance Rentzel!

Green Bay se viu perdendo por três pontos, recebeu a bola de volta com 4:50 no cronômetro. Começava ai um dos drives mais famosos da história da liga. Starr foi avançando seu ataque em uma sensação térmica de -57 °C, o membro do Hall da Fama posicionou o ataque dos Packers bem próximo da end zone adversária. O RB Donny Anderson não conseguiu anotar o TD curto em duas oportunidades, sofrendo demais com o gelo no campo. Eis que Starr se viu em uma terceira descida para o goal, com 16 segundos no cronômetro.

 

A jogada óbvia era o passe, visto que outra corrida mal sucedida acabaria a partida. Com um passe incompleto, o time poderia chutar um field goal e levar o jogo a prorrogação. Mas não foi o que aconteceu. O QB gastou o último tempo, combinou com o lendário Vince Lombardi, técnico que dá o nome ao atual troféu do Super Bowl, uma jogada muito arriscada. Starr voltou para o huddle e chamou a jogada “Brown right 31 Wedge”, para surpresa dos jogadores.

Ele mesmo correria com a bola. O center Ken Bowman e o guard Jerry Kramer fizeram um bloqueio duplo no defensive tackle da esquerda, Jethro Pugh, abrindo um espaço para Starr mergulhar para dentro da end zone e garantir o título (veja o vídeo da jogada acima). Jogo que marcou o fim de uma era, foi a última vez que um campeonato da NFL teve mais importância do que a final entre NFL e AFL. Os Packers viriam a conquistar o Super Bowl II 14 dias depois, uma fácil vitória de 33 a 14 contra o Oakland Raiders no calor de Miami.

Comentários