Contagem regressiva Endzone Brasil: #24 Darrelle Revis

perfil 24 dias revis

Quando Darrelle Revis está m campo, poucos quarterbacks arriscam lançar em sua direção, ele praticamente neutraliza um dos lados do campo. A habilidade de anular os principais recebedores adversários é tanta que o espaço coberto por Revis ficou conhecido como “Revis Island” (A ilha de Revis), um dos lugares mais solitários da NFL nos últimos anos. Após atingir a glória máxima no ano passado com os Patriots, ele retorna para os Jets em 2015, equipe que defendeu por seis anos. Como o próprio jogador disse, está voltando para casa. Extremamente talentoso e muito competitivo, seu atleticismo e agilidade impressionam, foi líder em todos os times que defendeu ao longo da carreira.

Revis em Pittsburgh

Revis em Pittsburgh

Oriundo de uma família de esportistas, Revis foi o principal destaque da Aliquippa High School no começo dos anos 2000: capitão do time de futebol americano, comandava a equipe de basquete e ainda disputava provas de atletismo. Quase optou por seguir carreira nas quadras, mas o campo falou mais alto. Resolveu seguir os passos do tio, Sean Gilbert, que atuou na Universidade de Pittsburgh e depois jogou 11 anos na NFL como defensive tackle. Teve uma carreira sólida nos três anos que foi cornerback do Pittsburgh Panthers, um dos principais nomes da equipe na época.

Apesar de alguns questionamentos sobre a qualidade dos recebedores que Revis cobria em Pittsburgh, impressionou muito olheiros da NFL pela qualidade na cobertura individual. Tanto que o New York Jets deu a primeira (25º), segunda e quinta escolhas do Draft 2007 para o Carolina Panthers em troca da 14º geral para poder contar com o talentoso CB de Pittsburgh. Chegou em um time capenga, que venceu apenas quatro partidas na temporada. Apesar do desempenho ruim do time em um todo, o então camisa 24 foi um dos pontos positivos da equipe: 3 INT e 87 tackles.

Já com a camisa 24 dos Jets

Já com a camisa 24 dos Jets

Era o nascimento de um dos melhores CBs da história da liga. Teve um 2008 espetacular (5 INTs e 58 tackles), mas não conseguiu levar os Jets de volta aos playoffs. Fato que mudou nos anos seguinte. Um dos líderes da feroz defesa do técnico Rex Ryan, Revis foi um monstro, principal destaque nas ótimas campanhas feita pelos Jets nas duas temporadas seguintes. O time disputou à pós-temporada em ambas as oportunidades, ficou a uma partida de disputar o Super Bowl. Ao contrário das seis interceptações em 2009, não teve nenhuma interceptação em 2010. Motivo: os quarterbacks evitavam ao máximo lançar passes no lado em que Revis estava. O isolamento dos wide receivers era tanto que o espaço em que o camisa 24 fazia a cobertura foi apelidado de “Revis Island”.

Apesar de algumas pequenas contusões, atuou 13 partidas em 2011, contribuiu para a campanha de 8-8 da equipe. Fisicamente não estava 100%, mesmo assim computou 4 interceptações e 55 tackles. Os problemas físicos seguiram em 2012, mas em maior escala. Darrelle sofreu a lesão mais grave da carreira na semana 3, rompeu o ligamento cruzado anterior do joelho e ficou de fora do restante da temporada.

revis2

Revis foi campeão ano passado pelos Patriots

Começaram a surgir questionamentos de como o físico cornerback iria atuar depois da lesão. Para surpresa de muitos na Big Apple, foi trocado com o Tampa Bay Buccaneers na intertemporada, os Jets receberam uma escolha de primeira rodada de 2013 e uma de quarta rodada de 2014 pelo CB. Revis assinou um contrato milionário com os Bucs (6 anos e 96 milhões de dólares), mas sem dinheiro garantido. Não foi espetacular, mas teve um ano consistente na casa nova, mostrou estar totalmente recuperado da contusão no joelho. Com a mudança de comando técnico da equipe em 2014, o novo esquema defensivo do recém-chegado Lovie Smith – baseado na marcação por zona – não se encaixava nas características de Revis. Para não pagar 16 milhões ao CB, Tampa Bay dispensou o jogador.

Pela primeira vez no mercado, foi um dos free agents mais disputados. Acabou parando no New England Patriots, causando a ira de torcedores dos Jets em ver o ídolo atuando no principal rival. Foi peça importante na campanha vitoriosa do time, que resultou no título do Super Bowl contra o Seattle Seahawks. Prêmio mais do que merecido pelo jogador talentoso que é. Apesar do bom desempenho, os Patriots optaram por não pagar 20 milhões de dólares para manter o camisa 24 em 2015, novamente ele voltou ao mercado. Seu destino: o New York Jets. De contrato renovado por cinco temporadas, Darrelle Revis ainda tem muita gasolina no tanque para dar alegria aos torcedores da franquia em 2015.

Compartilhe!Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter

Comentários