Prévia da temporada 2016: Como será o ano do Tennessee Titans

POJETU PREVIAS TITANSsss

Reconstrução da franquia nas mãos de Marcus Mariota

Não é nenhuma novidade a reformulação que o Tennessee Titans vem tentando fazer de alguns anos para cá:  vários técnicos e quarterbacks passaram pela franquia de Nashville. A grande maioria deles sem sucesso. Apesar da fraca campanha de 3-13 em 2015, a pior da liga, a esperança voltou a brilhar na terra da música country com a parceria entre o QB Marcus Mariota e o técnico Mike Mularkey – interino que foi efetivado após a demissão de Ken Whisehunt em novembro. Pela primeira vez em muito tempo os Titans entram em uma temporada com a real possibilidade de sair do fundo do poço.

Jogo corrido consistente é prioridade no ataque

Titans Free AgencyApesar de ter sido a segunda escolha geral do Draft 2015, Marcus Mariota chegou aos Titans cercado por algumas dúvidas – principalmente sobre a sua adaptação do College para a NFL. O camisa 8 não foi brilhante ao longo do ano, especialmente nos passes longos, mas mostrou ao mundo que tem capacidade para ser o ‘Franchise Quarterback’ tão procurado na liga atualmente. Com o QB definido, os Titans focaram em consertar dois pontos cruciais nessa offseason: jogo corrido e linha ofensiva.

A movimentação no mercado deixou clara a ideia do técnico Mularkey em construir um fortíssimo jogo terrestre ao redor redor de Mariota – tirando parte da pressão dos ombros do jovem QB. O time trouxe dois bons running backs para reforçar o fraquíssimo backfield do ano passado. A principal aposta foi em recuperar DeMarco Murray  – atleta que foi brilhante nos Cowboys em 2014 e péssimo nos Eagles em 2015. Qual será a versão 2016? A ideia do técnico e voltar a utilizar o camisa 29 no famoso ‘north-south’, ou seja, de forma mais vertical. O Promissor Derrick Henry chega da segunda rodada do último Draft para dar suporte ao veterano e, quem sabe, roubar o posto de titular.

LEIA TAMBÉM
Nike lança mais camisas de times da NFL no Brasil

Outro ponto fundamental em Tennessee foi tentar arrumar a pior linha ofensiva de 2015 (54 sacks cedidos). O time utilizou a primeira escolha no último Draft no versátil Jack Conklin, que deve ser o RT titular, além do experiente Ben Jones para ser o center e líder desse grupo. A situação deve melhorar bem com os dois em campo ao lado de Taylor Lewan (LT) e Chance Warmack (RG). A posição de LG segue em aberto. No mais, o corpo de recebedores permanece fraco, quem sabe as chegadas de Rishard Matthews (ex-Dolphins) e do calouro Tajae Sharpe ajudem um pouco.

Dick LeBeau assume controle total da defesa

hi-res-89fd473bff692b4159d7bd42ac553e62_crop_northApós compartilhar o comando da defesa com Ray Horton, LeBeau (ex-Steelers) terá carta branca em 2016. O que na prática significa uma mentalidade muito mais agressiva e formações inusitadas de blitz. Resta saber se o elenco terá as peças certas para executar os comandos do coordenador. A principal arma da linha nas formações será Jurrell Casey –  o DE deve flutuar pela linha e criar os famosos ‘mismatches’. Brian Orakpo e Derrick Morgan continuam o bom trabalho pressionando os QBs adversários por fora da linha ofensiva – com o calouro de segunda rodada Kevin Dodd correndo por fora. Outro calouro, também de segunda rodada, que pode cavar uma vaguinha de titular na linha é o NT Austin Johnson.

Por dentro da linha de linebackers as opções são Avery Williamson  e o veterano Wesley Woodyard –  com Sean Spence e Nate Palmer correndo por fora. A secundária foi um dos pontos de mais preocupação do time no ano passado e recebeu alguns reforços. Nada espetacular, mas certamente um upgrade ao elenco de 2015. O melhor reforço veio do departamento médico: o CB Jason McCourty retorna após uma contusão na virilha. Perrish Cox deve brigar com os recém-chegados Atwon Blake e Brice McCain pela outra vaga, esse último deva mais atuar como nickel. No fundo, Rashad Johnson chega para ser uma opção infinitamente superior ao decadente Michael Griffin, que foi embora. O jogador ex-Cardinals deve fazer parceria com o regular Da’Norris Searcy.

Favoritismo em 2016

7Embora tenha tido a pior campanha em 2015, o Tennessee Titans não é o maior azarão do mercado de apostas. Segundo dados da Odds Shark, a chance do time vencer o Super Bowl é de 81 para 1! Cleveland (151) e San Francisco (101) lideram os que mais pagam em uma improvável conquista. A chance de Mariota e companhia vencerem a AFC é de 34 para 1 – de conquistar a AFC South de 11 para 1.

Vai até onde?

O Tennessee Titans oferece muito mais esperança ao seu torcedor em 2016 do que nos últimos anos. Entretanto, imaginar esse time alcançando voos mais altos já nesta temporada é extremamente improvável. Marcus Mariota vai sim elevar o status da franquia, mas esse processo é demorado. Com a melhora considerável de todos os times da AFC South, os Titans devem amargar mais um ano na lanterna de sua divisão.

Previsão: 4º da AFC South

Ingressos para a temporada 2016 da NFL

Compartilhe!Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter

Comentários