Contagem regressiva 2017: Biografia do camisa #13 – Odell Beckham Jr.

Pouquíssimos jogadores tiveram tanto impacto nos primeiros anos de NFL como Odell Beckham Jr. Sem tanto falatório, o wide receiver LSU estava cotado para a primeira rodada e foi escolhido apenas na 12º no Draft 2014 pelo New York Giants. O ‘apenas’ na frase anterior vale pelo que o monstro produziu nos últimos três anos – certamente alguns dos 11 times que não o escolheram estão se arrependendo até hoje. Mesmo perdendo quase todo o período de training camp, a pré-temporada completa e quatro jogos da temporada regular, o camisa 13 foi espetacular em 2014: 91 recepções, 1,305 jardas e 12 touchdowns. Mais preparado, ele melhorou ainda mais os números em 2015 e manteve a regularidade no ano passado – levando o time de volta aos playoffs. Velocidade, o atleticismo fora do comum e a habilidade em fazer recepções ‘acrobáticas’ fazem dele uma arma letal para defesas adversárias.

Odell com a 3 da LSU

Odell com a 3 da LSU

Nascido e criado em New Orleans, o sangue de atleta sempre correu nas veias do jovem Odell: é filho de Odell Beckham, ex-running back da LSU, e da corredora Heather Van Norman.  Fazia de tudo e mais um pouco na Isidore High School, futebol americano, basquete e atletismo, seguindo os passos da mãe. Se destacava em todos, mas a paixão pela bola oval falou mais forte. Era tão competente que não tinha posição fixa na equipe, jogava de wide receiver, quarterback, running back e cornerback. Se destacou mesmo como recebedor, foi eleito o prospecto nº 40 de todo o país. Recebeu propostas das melhores universidades americanas, mas escolheu a LSU para seguir o passos do pai.

Ameaça tanto recebendo passes como retornando chutes, o então camisa 3 escreveu permanentemente seu nome na história da universidade. Nos três anos por lá, computou 4,118 jardas ‘all-purpose’ (contando retornos) e 15 touchdowns. Recebeu o prêmio Paul Hornung de jogador universitário mais versátil do ano de 2013, é o sétimo jogador com mais jardas de recepção da história da Louisiana State University. Cotado para sair no final da primeira rodada, subiu um pouco dos rankings após o bom desempenho no Combine. Foi escolhido pelo New York Giants com a 12º geral daquele ano.

Uma lesão na coxa atrapalhou os planos do wide receiver, que mal entrou em campo no training camp da equipe. Para um calouro, os primeiros treinamentos com o time são essenciais para o desempenho na temporada, mas isso não atrapalhou o agora camisa 13. Ele ficou de fora da pré-temporada, perdeu mais quatro partidas da temporada regular. Fez sua estreia na semana 5, entrando em um time de campanha 2-2 até então. Não foi brilhante, mas recebeu um touchdown. A partir de então o desempenho disparou, recebeu oito passes para 156 jardas no primeiro Monday Night Football da carreira. Isso até o dia 23 de novembro…

gifData que Odell Beckham Jr. passou a barreira de ‘bom calouro’ para fora de série, o que ele fez no duelo contra o Dallas Cowboys foi algo de outro mundo. Faltam palavras para descrever a recepção feita por ele no início do segundo período, certamente uma das mais espetaculares já vistas na NFL. Recebeu uma bomba de Manning no canto direito do gramado, com apenas três dedos, ainda foi capaz de se manter em campo e cair com a bola dominada dentro da end zone. Fantástico! O lance foi considerado por muitos como a maior recepção da história da NFL. No twitter, estrelas do esporte como LeBron James se espantaram com a jogada brilhante do calouro dos Giants. O jogador do Cleveland Cavaliers foi apenas um dos mais de 25 mil tweets com o nome de Beckham Jr. tuitados logo após o lance.

CE7Bt-aXIAA8s6LFoi de coadjuvante a peça principal no ataque dos Giants, quebrando recorde atrás de recorde com atuações primorosas. Além de computar 1,305 jardas, 91 recepções e 12 TDs em apenas 12 partidas, ele foi criando marcas que serão difíceis de serem quebradas por algum WR calouro. Entre elas, o único calouro da história a ter 130 jardas e um TD em quatro partidas,  segundo jogador da história da liga a ter pelo menos 90 jardas aéreas em nove jogos consecutivos, igualando a lenda Michael Irvin. Venceu com muita justiça o prêmio de melhor calouro ofensivo da temporada.

Doze jogos, algumas recepções espetaculares e menos de um após se tornar profissional, Beckham Jr. estampou a capa do Madden NFL 2016. O wide receiver venceu a disputa com Rob Gronkowski, TE dos Patriots. Antes, Patrick Peterson, CB dos Cardinals, e Antonio Brown, WR dos Steelers, também estavam na disputa. É o jogador mais jovem a estampar a capa do Madden, principal jogo de futebol americano no mercado. Em janeiro participou do primeiro Pro Bowl da carreira.

Claro que o sucesso do ano de calouro iria influenciar nas marcações que ele sofreria no ano seguinte. Mesmo enfrentando coberturas duplas, em alguns momentos triplas, OBJ foi fundamental no ataque dos Giants: 96 recepções, 1.450 jardas e 13 touchdowns. Números ligeiramente melhores de 2014, mas com três jogos a mais disputados.

Mais entrosado com Eli Manning e com o inteligente ataque de Ben McAdoo, OBJ teve mais um ano bem consistente e pela terceira temporada consecutiva passou das 1300 jardas aéreas em 2016. O maior feito foi ter ajudado a levar os Giants de volta aos playoffs após os quatro anos de ausência. A promessa é de um 2017 ainda melhor fazendo parceria com o mortal Brandon Marshall e uma das defesas mais forte da liga a seu favor. Apesar da lesão contra os Browns na pré-temporada, Odell deve voltar já nas primeiras semanas e ser decisivo com sempre foi. O torcedor dos Giants agradece.

Compartilhe!Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter

Comentários