Super Bowl 53: Prévia de Los Angeles Rams x New England Patriots

Após meses de expectativa, finalmente o Super Bowl 53 está chegando! Atlanta vai tremer no choque de gerações que promete ser épico no Mercedes-Benz Stadium na noite deste domingo (3), às 21h30 (de Brasília). De um lado, a juventude e o talento do Los Angeles Rams de Sean McVay e Jared Goff – a dupla mais nova de técnico e quarterback da história a chegar na grande final. No outro canto temos exatamente o oposto: um New England Patriots que conta com a dupla mais vitoriosa de todos os tempos na NFL: Bill Belichick e Tom Brady. Prepare-se para um duelo simplesmente inesquecível na Georgia!

Longos 17 anos se passaram após a emblemática vitória de Brady e Belichick diante dos Rams no Super Bowl 36 – o primeiro dos cinco títulos da dupla. Antes considerados os grandes azarões diante do “The Greatest Show on Turf” de Kurt Warner, agora New England aparece como o time a ser batido em Atlanta. Será que os Pats vão se consolidar ainda mais como a maior dinastia de todos os tempos? Ou teremos o mesmo roteiro da primeira final entre os times – com o azarão acabando com o reinado vigente?

>>PÁGINA ESPECIAL DO ENDZONE BRASIL COM TUDO SOBRE O SUPER BOWL 53

Poucos esperavam a presença dos Patriots na finalíssima no começo da temporada – após um início bem irregular de Brady e companhia em setembro. Aos poucos, o time foi se encaixando e o veterano foi tirando força das críticas para levar New England aos playoffs pela 16ª vez. As duas melhores atuações dos Pats na temporada vieram exatamente na pós-temporada: solidez defensiva, um Brady muito eficiente e um ataque simplesmente mortal correndo com a bola e controlando o relógio.

Após atropelar os Chargers sem dó nem piedade, o time conseguiu repetir o bom desempenho também longe de Foxborough e venceu os Chiefs em um duelo eletrizante na prorrogação. Esqueça aquele começo irregular – New England parece estar no pico da performance e mais mortal do que nunca.

Se falta experiência do lado dos Rams, sobra talento e capacidade – um time competente dos dois lados da bola oval e que conta com uma das maiores mentes ofensivas dos últimos anos: Sean McVay. O treinador transformou o pior ataque da liga em 2016 no melhor em 2017 e trouxe algumas peças para elevar o time de patamar em 2018 – principamente alguns playmakers para a defesa.

Após um começo excelente, LA teve uma queda na parte final da temporada regular, mas despachou Cowboys e New Orleans para garantir presença em Atlanta. Sim, ninguém jamais esquecerá aquela interferência nos minutos finais da partida no Superdome, mas não se pode tirar o mérito dos Rams por um erro de arbitragem: os números mostram que LA foi superior a New Orleans em jardas totais e posse de bola. na grande final da NFC.

Claro que o encontro mais icônico entre as duas franquias aconteceu há 17 anos – quando decidiram o Super Bowl 36 no Superdome de New Orleans. Ainda um ilustre desconhecido, Tom Brady mostrou todo o seu talento e comandou um drive mágico no último minuto de jogo – posicionando Adam Vinatieri para chute da vitória. No fim, o QB de sexta rodada do Draft de 2000 bateu o time lendário dos Rams de Kurt Warner por 20 a 17 – o início da maior dinastia de todos os tempos.

Por se tratar de times de conferências diferentes, foram poucos duelos entre Rams e Patriots na temporada regular: apenas 12 no total. A vantagem é de New England – são sete vitórias contra apenas cinco de LA. O encontro mais recente entre os times aconteceu em 4 de dezembro de 2016: vitória tranquila dos Patriots por 26 a 10 em Foxborough.

Como todos sabem, o esquema defensivo dos Patriots é focado em anular totalmente as peças principais do ataque adversário. Diante dos Chiefs, o time limitou Tyreek Hill e Travis Kelce e acabou anulando grande parte do jogo aéreo da equipe. Portanto, a principal chave para o bom ataque dos Rams é espalhar a bola entre os vários alvos diferentes e limitar ao máximo a dependência de apenas um ou dois jogadores no plano de jogo – não faltam bons alvos para o jovem Jared Goff castigar a secundária dos Pats. Outro ponto pode ser copiado do que os Eagles fizeram no ano passado: trazer várias formações novas e transformar uma das maiores qualidades dos Pats, que é estudar em vídeo todas as formações do adversário, em uma armadilha contra eles mesmos. Sean McVay já mostrou ter muita capacidade para isso.

Na defesa, todos sabem de cor como parar Tom Brady: MUITA pressão apenas dos jogadores de linha. Agora, para evitar que o camisa 12 mate a defesa com o seu genial quick release, será necessário que Los Angeles consiga brecar minimamente o jogo terrestre e forçar Brady a terceiras descidas longas. Como o QB quase não se movimenta fora do pocket, os Rams ficam bem mais próximos da vitória se Ndamukong Suh e Aaron Donald trazerem o costumeiro caos pelo meio da linha. Em um duelo tão equilibrado, um fumble forçado pode fazer toda diferença – apenas lembre do final do Super Bowl 52.

Falando do ataque dos Pats, difícil falar algo diferente do que o time já vem fazendo nos playoffs – um controle absurdo do relógio baseado no jogo terrestre. Acredite se quiser: foram assustadoras 82 corridas e 331 jardas somando os embates contra Chargers e Chiefs. Se os Pats conseguirem estabelecer o jogo corrido e colocar Brady em situações confortáveis de passes curtos, a vitória fica muito próxima de Belichick e companhia. Outro ponto que certamente precisa ser explorado por Brady é a instabilidade do cornerback Marcus Peters: o excesso de agressividade, sempre buscando um turnover, faz com que ele fique vulnerável nas mudanças de rotas e acabe ‘queimado’ com frequência.

Passando para a defesa, o treinador dos Pats certamente já possui um alvo em mente para anular: Todd Gurley. Mesmo com a produção mediana nos playoffs, voltando de contusão, o running back muitas vezes é a válvula de escape de LA – tanto correndo como recebendo passes. Caso ele volte à velha forma diante dos Pats, o treinador de New England certamente estará preparado. Além de impedir as big plays de Gurley correndo pelas laterais, a chave para parar esse ataque dos Rams será incluir algumas formações de zona para combater as formações de três wide receivers de McVay. Com uma mistura de marcações por zona e individuais, certamente Belichick vai confundir a cabeça do jovem Jared Goff na hora das leituras.

Como não poderia ser diferente, o New England Patriots aparece como o favorito no Super Bowl 53, mas não por uma margem tão alta como no ano passado contra os Eagles. Segundo os odds do Oddsshark.com, a vitória New England paga R$1,74 para cada real apostado; já o triunfo dos Rams em Atlanta rende R$2,15 para 1 nas casas de aposta.

Apesar da promessa de um jogo muito equilibrado, fica difícil imaginar uma derrota dos Patriots com essa equipe atingindo o topo nas últimas semanas. Brady entrará ‘mordido’ após a derrota do ano passado e as críticas em relação a idade, Gronkowski chega descansado e Sony Michel deve mais uma vez brilhar na pós-temporada. Portanto, a dica de aposta do Endzone Brasil é uma vitória dos Patriots por três ou mais pontos (spread Patriots -2,5) pagando R$1,91 para 1 segundo o Oddsshark.com.

Palpite do Endzone Brasil: Los Angeles Rams 23 x 31 New England Patriots

Comentários