As melhores e as piores escolhas da primeira rodada do Draft 2019

O primeiro dia do Draft 2019 foi simplesmente maluco! Alguns times surpreendendo positivamente e outos, (né, Giants?) decepcionando os torcedores com escolhas, digamos, questionáveis. Como é tradição por aqui, listamos aqui as melhores e as piores escolhas do primeiro dia do evento que aconteceu em Nashville, no Tennessee, na noite da última quinta-feira (25):

Melhores escolhas:

2ª – San Francisco 49ers: Nick Bosa, DE, Ohio State

Claro que essa era uma escolha bem óbvia, entretanto, com alguns times fazendo bobagem com escolhas altas, é preciso ressaltar o bom trabalho dos Niners buscando possivelmente o atleta mais talentoso do evento em Nashville. Se conseguir ficar saudável, Bosa pode elevar a defesa de San Francisco de patamar e fará uma bela dupla com Dee Ford – preenchendo uma lacuna do elenco.

7ª – Jacksonville Jaguars: Josh Allen, DE, Kentucky

Essa foi a minha escolha favorita do evento de ontem na Terra da Música Country. Talvez nem em seus melhores sonhos o GM de Jacksonville imaginasse que Josh Allen cairia no colo na 7ª escolha! Cortesia de Oakland Raiders e principalmente New York Giants… Os Jaguars faturam um dos quatro jogadores mais talentosos do Draft 2019 para utilizar em uma defesa que já é boa. Ótimo trabalho.

15ª – Washington: Dwayne Haskins, QB, Ohio State

Aqui mais um oferecimento dos Giants – a ‘mãe do Draft 2019’. Muito se especulou que os Redskins poderiam subir para pegá-lo, mas, ao invés de fazer um reach bizarro como outros times, Washington ficou sentadinho com a 15ª escolha e pegou o seu jogador preferido. Claro que ainda é preciso ver se Haskins vai brilhar, mas, quando você pega um possível franchise QB para o seu time na metade da primeira rodada, você fez um bom trabalho.

Uma das piores escolhas de todos os tempos

6ª – New York Giants: Daniel Jones, QB, Duke

Essa decisão do New York Giants foi tão bizarra que era impossível colocar em ‘piores escolhas’ – era preciso criar outra categoria para encaixar essa maluquice que o time da Big Apple fez na noite de quinta-feira (25).

Fazer um reach absurdo na 17ª escolha com Dexter Lawrence é péssimo, dar várias escolhas e subir para pegar Deandre Baker é questionável… agora, o que a equipe fez com a sexta escolha geral é algo simplesmente inexplicável.

Vi ao longo do dia alguns analistas ‘passando o pano’ e dizendo que não foi algo tão ruim. Foi sim – especialmente pelo contexto envolvido. No ano passado, os Giants tinham Sam Darnold, Josh Allen e Josh Rosen à disposição e escolheram Saquon Barkey. No ano seguinte, utilizam a sexta posição em um atleta que, para muitos, não era nem material de primeira rodada.

Nada contra Jones, que até é um atleta decente, mas é inimaginável pensar que ele pode ser o substituto de Eli Manning em uma das franquias mais tradicionais da liga. E, mesmo se eles tivessem 100% focados nele, por que não descer e ganhar várias escolhas? Trabalho horrível de Dave Gettleman.

Piores escolhas:

4ª – Oakland Raiders: Clelin Ferrell, DE, Clemson

Primeiro o ponto positivo: Ferrell é um jogador talentoso e encaixa perfeitamente no esquema 4-3 dos Raiders. Agora, ele não possui, nem de longe, o perfil de um atleta que deve ser selecionado no Top 5… estava na lista da segunda rodada de algumas equipes! Como não seria nenhum absurdo ele sobrar na escolha 24, também dos Raiders, esse movimento ‘bold’ de Jon Gruden foi está mais para estúpido do que genial.

23ª – Houston Texans: Tytus Howard, OT, Alabama State

Antes de mais nada, era quase obrigatório que Houston fosse atrás de proteção a Deshaun Watson na primeira rodada do Draft. O problema foi que a equipe ‘dormiu no ponto’ e levou uma bela rasteira dos Eagles – que subiram para a posição 22 para pegar o jogador que estava na mira de Houston: Andre Dillard. Pego de surpresa, os Texans deram um belo de um ‘reach’ em Howard – um jogador de segunda rodada.

Comentários