Mago, robô, ET? Entenda o que faz de Patrick Mahomes um jogador tão especial

Depois de pouco mais de dois anos brilhando como titular na NFL, fica muito difícil achar a alcunha correta para Patrick Mahomes: o quarterback mostram atributos tão especiais e diferentes que fica complicado defini-lo. Mago, robô, ET? Todas as opções anteriores! Entenda porque o quarterback do Kansas City Chiefs é tão especial e veja o que esperar dele no Super Bowl 54 diante do San Francisco 49ers em Miami.

>>PÁGINA ESPECIAL DO ENDZONE BRASIL COM TUDO SOBRE O SUPER BOWL 54

O Mago Mahomes

Nos atentemos para o primeiro, “Mago”. Também muitas vezes substituído por “Mágico”, ou outro sinônimo, a palavra define uma pessoa que consegue produzir instantes difíceis de serem explicados racionalmente.

Pois bem, assista o touchdown terrestre de Mahomes contra o Tennessee Titans, na última final da AFC. Não é apenas um scramble seguido de uma excelente corrida de um quarterback móvel, é mais do que isso.

Os Chiefs estavam a 20 segundos de irem para o intervalo atrás no placar, os defensores vinham de desempenhos primorosos nos jogos anteriores, mas e daí? O camisa 15 deixou seus adversários para trás, invadiu a end zone e explodiu o Arrowhead Stadium. Não é razão, é magia.

O robô Mahomes

Os atributos de um robô são quase de conhecimento geral. É, basicamente, uma inteligência artificial aplicada em uma interface mecânica pronta para desempenhar suas funções sempre for exigido.

Aqui poderíamos falar da frieza de Mahomes, capaz de conseguir executar seu melhor jogo em situações adversas, mas já o fizemos acima. Podemos então falar do físico, de sua resistência. Saindo um pouco do futebol americano e indo para a bola redonda, temos o exemplo de Cristiano Ronaldo. Claro que o jovem quarterback está em outra fase da vida, mas ele já mostrou nesta temporada que merece respeito.

Após a semana 7, o futuro da temporada do QB dos Chiefs ficou sob dúvida, já que ele sofreu um deslocamento da patela do joelho direito, durante o duelo contra o Denver Broncos. 24 dias foram o suficiente para Mahomes se recuperar e voltar aos gramados. Apesar da derrota para os Titans na ocasião, ele terminou o jogo com 446 jardas aéreas, 3 TDs e 72% dos passes completados. Coisa de robô!

O ‘ET’ Mahomes

Sobre os ETs, bom, não há algum registro fiel da aparição deles por aqui, mas há sim a adaptação desta alcunha para o esporte. Voltando para o futebol praticado com os pés, é possível encontrar Lionel Messi como espelho. O atacante do Barcelona construiu sua carreira em um futebol vistoso, mas não cheio de malabarismos. Não é que ele não os faça quando seja exigido, pois faz, mas sim porque ele não precisa. A forma que executa seus movimentos dá a sensação de que tudo que ele faz é fácil.

Neste quesito, poderíamos voltar a 2018 e os passes sem olhar ou com a mão esquerda de Mahomes, mas a atenção seguirá na atual temporada. Divisonal Round, os Chiefs estavam sendo atropelados pelo Houston Texans por 24 a 0 e o Arrowhead Stadium parecia um velório. Enquanto a maioria transbordava preocupação, a câmera flagra o QB de Kansas City tranquilo na sideline, como se tudo fosse fácil.

O primeiro tempo segue, Mahomes lidera três campanhas seguidas com passes para touchdown e devolve os Chiefs para o jogo. Só isso já era notável, mas ele queria mais, ele podia mais. Faltando 45 segundos para o fim do primeiro tempo, novamente saindo do pocket, o camisa 15 atraiu a atenção dos defensores e, quando o cerco se fechou, mostrou naturalidade ao tirar da cartola um passe milimétrico para Travis Kelce na end zone. 28 a 24 no placar e a virada estava realizada.

O campeão Mahomes?

Apenas um ano depois de encantar o mundo com uma das temporadas mais impressionantes de um jogador da NFL, Patrick Mahomes dá mostras que está pronto para se superar já em 2019. Mais do que isso, Patrick Mahomes está pronto para vencer um Super Bowl.

Caso o camisa 15 levante o caneco no Hard Rock Stadium, ele será o segundo QB mais novo a conseguir tal feito com 24 anos e 137 dias – ultrapassando Tom Brady (25) em 2001 e apenas atrás de Ben Roethlisberger (23) em 2005. Independente se o título vier ou não no domingo, as atuações de Patrick Mahomes mostram que a alcunha de ‘campeão’ é apenas uma questão de tempo.

Compartilhe!Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter

Comentários