O’Brien repete loucuras, troca Hopkins com os Cardinals e coloca o futuro dos Texans em cheque

(Photo by Jonathan Bachman/Getty Images)

Acredite se quiser: DeAndre Hopkins não é mais jogador do Houston Texans. Em um dos movimentos mais controversos dos últimos anos, Bill O’Brien, head coach e novo general manager da franquia, acertou a ida do recebedor para o Arizona Cardinals. A troca surpreendente aconteceu na tarde desta segunda-feira (16) e fez muita gente na NFL coçar a cabeça.

Na troca completa, Houston recebeu o RB David Johnson, além de uma 2ª rodada do Draft de 2020 e outra de 4ª rodada de 2021. Hopkins e uma escolha de 4ª rodada do Draft de 2020 foram enviados aos Cardinals.

O histórico controverso de O’Brien

A transação chocou o mundo da NFL, mas não foi a primeira ação questionável de Bill O’Brien no comando dos Texans. Mesmo antes de ser alçado à condição de GM, ele esteve diretamente ligado a outras movimentações polêmicas recentes.

Em 2019, às vésperas do início da temporada, os Texans trocaram o astro Jadeveon Clowney para o Seattle Seahawks e receberam apenas Jacob Martin, Barkevious Mingo e uma escolha de terceira rodada do Draft 2020. O saldo da transação não foi dos melhores para Houston.

Como era esperado, Clowney recuperou o melhor de sua forma física e foi o líder técnico da defesa de Seattle na última temporada. Mingo e Martin passaram o ano como reservas em Houston, sendo utilizados em poucos snaps defensivos e em alguns de special teams.

Além desta transação, Houston fez outros movimentos pensando em reforçar seu elenco para 2019 nos últimos meses. Kenny Stills, Laremy Tunsil, Duke Johnson e Carlos Hyde chegaram aos Texans, que abriram mão de diversas escolhas de Draft em contrapartida.

Tunsil fortaleceu consideravelmente a linha ofensiva do time, enquanto Stills trabalhou bem em alguns momentos com Deshaun Watson e terminou o ano com quatro touchdowns. Johnson e Hyde formaram uma dupla sólida de running backs, combinando para 1480 jardas terrestres, 452 jardas recebidas e 11 TDs.

A contribuição deste grupo foi de grande valia para os Texans e a equipe chegou aos playoffs, mas o preço pago por ele é duvidoso. Ao maior estilo “win-or-bust”, O’Brien e Houston apostaram muitos ativos para vencerem a qualquer custo e não conseguiram, pelo menos ainda não.

Nos próximos dois Drafts (2020 e 2021), Houston possui 15 escolhas, isso até o momento. A questão é que a maioria está distribuída a partir da 4ª rodada, somente quatro delas pertencem a 2ª ou 3ª rodada, sendo nenhuma de 1ª rodada.

Desta forma, o “all-in” do head coach e, agora, general manager dos Texans é certamente muito arriscado. A saída de DeAndre Hopkins, para alguns o melhor recebedor da liga na atualidade, levou da equipe sua principal e mais perigosa arma ofensiva. Se não houver reposição à altura, é provável que todo o trabalho recente de Bill O’Brien coloque Houston à beira do colapso, não da glória.

Compartilhe!Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter

Comentários