Análise do Draft 2020 na NFC North: notas do desempenho de Bears, Lions, Packers e Vikings

Após muita expectativa, o Draft 2020 já entrou para os livros de história da NFL. Muitos times conseguiram fazer trabalhos excelentes e realmente reforçaram seus elencos para os próximos anos. Já outros fizeram escolhas, digamos, bem questionáveis. Quem se deu bem? Quem se seu mal? Chegou o dia de analisar o trabalho dos times da NFC North no Draft 2020: Chicago Bears, Detroit Lions, Green Bay Packers e Minnesota Vikings.

Lembrando que a nota final do Draft das equipes é uma média da nota de todos os redatores do Endzone Brasil e vai de zero a dez. Vamos lá?

DETROIT LIONS

1ª rodada (3): CB Jeffrey Okudah, Ohio State
2ª rodada (35): RB D’Andre Swift, Georgia
3ª rodada (67): EDGE Julian Okwara, Notre Dame
3ª rodada (75): G Jonah Jackson, Ohio State
4ª rodada (121): G Logan Stenberg, Kentucky
5ª rodada (166): WR Quintez Cephus, Wisconsin
5ª rodada (172): RB Jason Huntley, New Mexico State
6ª rodada (197): DI John Penisini, Utah
7ª rodada (235): DI Jashon Cornell, Ohio State

Pode-se dizer que foi um trabalho bem sólido do Detroit Lions: o time buscou bons valores e certamente está mais forte depois do Draft 2020. O time conseguiu buscar, em teoria, os melhores prospectos da classe 2020 de duas posições diferentes e que são carências na equipe: cornerback e running back. Julian Okwara e Logan Stenberg também foram escolhas sólidas e que podem contribuir em um futuro próximo.

Detroit teve apenas uma grande falha: não negociar a 3ª escolha com ninguém. O time estava fechado com Okudah e certamente conseguiria buscá-lo nas posições 6 ou 7, portanto, deveria ter feito uma troca para descer e angariar mais algumas escolhas no processo. Tudo bem que o Draft online atrapalhou as negociações, mas a equipe teve um tempão para fazer isso acontecer.

Média dos redatores do Endzone Brasil: 7,2


CHICAGO BEARS

2ª rodada (43): TE Cole Kmet, Notre Dame
2ª rodada (50): CB Jaylon Johnson, Ut
5ª rodada (155): Edge Trevis Gipson, Tulsa
5ª rodada (163): CB Kindle Vildor, Georgia Southern
5ª rodada (173): WR Darnell Mooney, Tulane
7ª rodada (226): T Arlington Hambright, Colorado
7ª rodada (227): IOL Lachavious Simmons, Tennessee State

Um dos fatores do declínio dos Bears de 2018 para 2019 foi a queda de produção da linha ofensiva: Chicago foi de 7º a 21º protegendo o seu quaterback. Embora Germain Ifedi tenha sido contratado, era quase que óbvio que o time precisava ter OL como uma das maiores prioridades no Draft 2020. Portanto, ignorar o setor até a sétima rodada foi um erro bastante grave. Independente de quem será o QB titular de Chicago na próxima temporada, ele vai sofrer para permanecer em pé no pocket.

Como os Bears não tinham escolha na primeira rodada, a franquia precisava ser cirúrgica com as escolhas 43 e 50 na segunda rodada. Quando foi ao relógio, o time se reforçou com um tight end – sendo que tinha acabado de buscar Jimmy Graham dos Packers pagando a ele muito mais do que ele merecia. Para completar, Cole Kmet nem era consenso em uma classe fraca de tight ends. A única escolha realmente boa do time foi Jaylon Johnson com a pick 50.

Média dos redatores do Endzone Brasil: 4,7


GREEN BAY PACKERS

1ª rodada (26): QB Jordan Love, Utah State
2ª rodada (62): RB AJ Dillon, Boston College
3ª rodada (94): TE Josiah Deguara, Cincinnati
5ª rodada (175): LB Kamal Martin, Minnesota
6ª rodada (192): OT Jon Runyan, Michigan
6ª rodada (208): IOL Jake Hanson, Oregon
6ª rodada (209): IOL Simon Stepaniak, Indiana
7ª rodada (236): DB Vernon Scott, TCU
7ª rodada (242): Edge Jonathan Garvin, Miami (Fla.)

Mesmo sem encantar o seu torcedor, o Green Bay Packers chegou à final da NFC e poderia ter vencido o San Francisco 49ers se tivesse no seu elenco dois alvos confiáveis e algum reforço no front seven contra corridas. Portanto, era óbvio que a diretoria de Green Bay deveria trazer algumas peças no Draft para reforçar o seu elenco e ajudar o seu quarterback, um dos maiores da história da liga, e que ainda está no auge da forma.

Ao invés de trazer um WR dinâmico, o time faz uma troca, sobe na frente de ouras equipes que não precisavam de quarterback, e busca Jordan Love. É compreensível esta política de pensar no futuro da franquia, mas, sinceramente, não era o momento. Quem compara a situação com o que aconteceu com Rodgers e Favre está completamente equivocado: Brett Favre começava a falar em aposentadoria em 2005 e Aaron Rodgers era um prospecto cotado para ser a primeira escolha geral que, sabe-se lá como, foi caindo até chegar no colo de Green Bay.

Rodgers jamais falou nada em se aposentar e possui, pelo menos, mais quatro anos em alto nível, portanto, buscar um QB extremamente cru na primeira rodada foi altamente irresponsável. Infelizmente, este foi apenas um dos erros dos Packers. Acredite se quiser: o time não escolheu NENHUM wide receiver para ajudar Rodgers e gastou a escolha de segunda rodada em um running back – mesmo estando muito bem servido na posição. Não à toa recebeu a pior das notas do Endzone Brasil.

Média dos redatores do Endzone Brasil: 2,5


MINNESOTA VIKINGS

1ª rodada (22): WR Justin Jefferson, LSU
1ª rodada (31): CB Jeff Gladney, TCU
2ª rodada (58): T Ezra Cleveland, Boise State
3ª rodada (89): CB Cameron Dantzler, Mississippi State
4ª rodada (117): Edge DJ Wonnum, South Carolina
4ª rodada (130): Edge James Lynch, Baylor
4ª rodada (132): LB Troy Dye, Oregon
5ª rodada (169): CB Harrison Hand, Temple
5ª rodada (176): WR KJ Osborn, Miami (Fla.)
6ª rodada (203): T Blake Brandel, Oregon State
6ª rodada (205): S Josh Metellus, Michigan
7ª rodada (225): Edge Kenny Willekes, Michigan State
7ª rodada (244): QB Nate Stanley, Iowa
7ª rodada (249): S Brian Cole II, Mississippi State
7ª rodada (253): IOL Kyle Hinton, Washburn

Se os Packers receberam a pior nota dos 32 times na contagem do Endzone, o rival Minnesota Vikings foi coroado com a melhor de todas na média dos redatores. O time seguiu a risca o manual de como fazer um Draft perfeito: buscou jogadores extremamente promissores, preencheu as principais lacunas do elenco e ainda conseguiu mais algumas escolhas valiosas em negociações. Bravo!

O trabalho no primeiro dia foi impecável: trouxe o substituto de Stefon Diggs na escolha 22, um dos melhores WRs da classe (em teoria), desceu da escolha 25 para a 31 e estacionou na frente dos Chiefs para buscar o prospecto desejado por eles. Jeff Gladney é um dos melhores CBs da classe 2020 e chega em um setor que estava precisando demais de ajuda.

O segundo dia também foi excelente. Ezra Cleveland foi um dos maiores steals do evento na escolha 58 – jogador cotado por muitos para sair na primeira rodada. Cameron Dantzler também tem muito potencial e pode contribuir bastante em na secundária. James Lynch, Troy Dye e Kenny Willekes são escolhas interessantes também.

Média dos redatores do Endzone Brasil: 9,2

Compartilhe!Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter

Comentários