Melhores ataques da história da NFL: Kansas City Chiefs de 2018

Antes de entrar para a história com o título do Super Bowl 54, o elenco do Kansas City Chiefs já havia chocado o mundo no ano anterior – com um dos ataques mais dinâmicos e letais de todos os tempos. Até então uma promessa, o garoto Patrick Mahomes assumiu o posto de titular em seu segundo ano na liga e foi simplesmente espetacular – executando com perfeição o dinâmico esquema de Andy Reid e faturando o prêmio de MVP da temporada.

Embora essa equipe não tenha conquistado o título, parou na final da AFC contra os Patriots, os Chiefs quebraram vários recordes e encantaram o mundo da NFL com uma junção da mente brilhante de Reid e o talento incrível de vários jogadores como Mahomes, Tyreek Hill e Travis Kelce – o único ataque da história a anotar, pelo menos, 26 pontos em todos os jogos da temporada regular.

O que fazia este ataque tão especial?

Como já dito acima, o sucesso dos Chiefs passa por uma junção entre o esquema genial de Andy Reid e o grande talento dos jogadores para executá-lo com perfeição.

Entenda o esquema de Andy Reid

Afinal, o que há de tão especial nas formações de Andy Reid? Ele sempre foi conhecido pelas variações do esquema west coast – especialmente nos tempos de Philadelphia Eagles. Talvez o grande mérito do treinador tenha sido combinar seu esquema-base, de passes curtos e rápidos, com conceitos de ‘spread’ – mais populares no College.

Na prática, a combinação funcionou perfeitamente: Kansas City foi o time que mais utilizou formações shotgun e o famoso ‘RPO’ (run-pass-option) durante a temporada 2018. Ao mesmo tempo, os Chiefs não abandonaram as corridas under-center e as jogadas de play-action. No fim das contas, a mistura dos conceitos tornou o ataque imprevisível e mortal.

Talento absurdo de Mahomes e companhia

O ataque era composto pelo genial Patrick Mahomes como quarterback, o veloz Tyreek Hill em uma ponta, Sammy Watkins complementando do outro lado, Chris Conley viajando por todos os pontos do campo no slot, Travis Kelce como uma máquina de recepções na parte ‘suja do campo’ e o RB Kareem Hunt – excelente tanto aproveitando os espaços do jogo terrestre como recebendo passes.

Apesar de Kelce (103 recepções) e Hill (87) serem os recebedores mais acionados, um dos grandes méritos de Reid foi espalhar a bola para vários alvos diferentes: nove jogadores tiveram, pelo menos, 20 recepções e 12 receberam, pelo menos, um touchdown durante a temporada.

Claro que nada funcionaria com perfeição sem a genialidade de Patrick Mahomes. O fato de grandes quarterbacks tornarem os esquemas ainda melhores é verdadeiro no caso dos Chiefs de 2018: 27% das jardas conquistadas por Kansas City em jogadas de passe vieram de scrambles de Mahomes ou ‘jogadas mortas’. A capacidade de improvisação e de tirar ‘coelhos da cartola’ dele é algo assustador – capaz de transformar um sack iminente em um passe cirúrgico de 50 jardas dentro da end zone.

Recordes quebrados

Os números deixam claro que trata-se de um dos ataques mais prolíficos de todos os tempos: foram 565 pontos anotados – apenas atrás dos Broncos de 2013 e os Patriots de 2007. Este foi o único time da história a anotar, pelo menos, 26 pontos em todos os jogos da temporada regular e ter 12 jogadores recebendo, pelo menos, um touchdown.

Mesmo aos 23 anos, claro que Mahomes foi o jogador que mais quebrou recordes: o camisa 15 se juntou a Peyton Manning como os únicos a terem uma temporada de mais de 50 touchdowns e 5 mil jardas.

Tyreek Hill e Travis Kelce também entraram para a história como a única dupla de recebedores a computar, pelo menos, 1,300 jardas e 10 touchdowns cada.

Chegou até onde?

Após um começo excelente 5-0, o time viu a invencibilidade cair em um jogaço em Foxborough: 43 a 40 para os Patriots. A segunda derrota veio apenas na semana 11 em no que muitos consideram um dos maiores duelos da história da liga: Chiefs 51 x 54 Los Angeles Rams. Depois do revés, o time caiu um pouco de produção e perdeu para Chargers e Seahawks antes dos playoffs – totalizando uma campanha de 12-4.

Após passear diante do Indianapolis Colts no divisional, os Chiefs receberam os Patriots na final da AFC. Infelizmente para os torcedores, o resultado foi o mesmo da temporada regular: derrota amarga por 37 a 31. Kansas City lutou até o último segundo e até levou o duelo para a prorrogação com um field goal no estouro do cronômetro, mas o ataque sequer conseguiu encostar na bola no tempo extra. Os Patriots ganharam no ‘cara ou coroa’ e logo liquidaram a fatura com um touchdown na primeira posse.

Claro que a derrota serviu de aprendizado para a equipe que, um ano depois, viria a vencer o Super Bowl 54 com três vitórias de virada na pós-temporada.

Compartilhe!Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter

Comentários