Prévia da temporada 2020 da NFL: Como será o ano do Carolina Panthers

Campanha em 2019: 5-11
Principal reforço para 2020: QB Teddy Bridgewater
Principal ausência em 2020: LB Luke Kuechly
Jogadores que assinaram o ‘opt out: OLB Christian Miller, LB Jordan Mack

Saídas de Kuechly, Newton e Rivera marcam final de uma era nos Panthers

No papel, a temporada de 2019 dos Panthers tinha tudo para ser das melhores. Um elenco de suporte de bom nível nas mãos de Cam Newton, que aparentava estar finalmente saudável. Nomes como Gerald McCoy e o novato Brian Burns inspiravam confiança na defesa. O time parecia pronto para ir longe nos playoffs… “Só que não”. Newton começou a temporada claramente baleado fisicamente e sua linha ofensiva não lhe ajudava. Christian McCaffrey parecia a única salvação da equipe, logo no início da temporada.

PERDEU ALGUMA PRÉVIA? VEJA O GUIA DA TEMPORADA 2020 COM TODAS AS ANÁLISES JÁ FEITAS

Sem Newton, o ex-treinador Ron Rivera apostou as suas fichas em Kyle Allen. Foram quatro vitorias nos cinco primeiros jogos de Allen – que fazia o simples e deixava a grande carga do ataque para McCaffrey. Então, os oponentes se adaptaram ao estilo de jogo de Carolina, as fraquezas de Allen começaram a ficar explícitas e os Panthers venceram apenas mais uma vez nas últimas oito partidas da temporada.

De forma melancólica, chegava o fim do ciclo de Cam Newton e Ron Rivera em Carolina, uma parceria que rendeu boas campanhas e uma final de Super Bowl. Para completar o fim de uma era, o ídolo e principal jogador de defesa da equipe Luke Kuechly decidiu anunciar uma aposentadoria precoce – preocupado com seus constantes problemas de concussão. Será Teddy Bridgewater peça chave na reconstrução dos Panthers, nas mãos do treinador novato Matt Rhule? Confira a prévia do do Carolina Panthers na temporada 2020 da NFL.

Veja também:

O palco está montado para Teddy Bridgewater atingir seu potencial

Teddy Bridgewater será o titular na posição de QB dos Panthers (Foto: Reprodução/Site oficial Carolina Panthers)

Finalmente, Teddy Bridgewater terá a grande chance de ser o quarterback número um indiscutível de uma equipe na NFL. Muito se questionou sobre o camisa 5 após sua terrível contusão no joelho, ainda quando era atleta dos Vikings. Após anos de recuperação e uma experiência como backup de Drew Brees, ele teve chances de provar seu valor substituindo o astro dos Saints por algumas partidas em 2019. Os Panthers gostaram do que viram e deram um contrato de US$ 63 milhões por 3 anos para Teddy.

Agora ele terá a grande chance de liderar um ataque interessante e com boas armas. Seu principal parceiro será Christian McCaffrey. O running back só não foi MVP em 19′ por causa de um tal Lamar Jackson. O que “CMC” é capaz de fazer é coisa para poucos corredores na liga. Com uma recém extensão de contrato assinado, Carolina não quer que seu RB siga tocando na bola mais de 300 vezes por temporada, como foi ano passado. Isso mina a durabilidade do atleta que joga em uma das posições mais físicas do esporte.

Para tirar esse peso das costas do camisa 22, os Panthers foram buscar o bom WR Robby Anderson, ex-Jets. Problemas extra-campo atrapalharam Anderson em todos seus anos em Nova Iorque, porém o treinador Rhule acredita que pode explorar o melhor de Robby e “colocá-lo na linha”. Se focado, o recebedor se torna uma arma extremamente valiosa e capaz de bater qualquer atleta de secundária com suas habilidades e ótimo atleticismo. D.J. Moore se provou confiável no ano passado e deve seguir sua evolução na posição de WR – o principal alvo de Bridgewater em 2020.

Os pontos fracos do ataque de Carolina ficam, sem dúvidas, na posição de tight end e em uma linha ofensiva questionável. Ian Thomas deverá ser o principal TE da equipe, um atleta que, até agora, sempre foi reserva. Chris Manhertz é seu reserva, um jogador que recebeu apenas seis passes em quatro anos na liga. Na OL, Russel Okung chega para proteger o lado cego de Bridgewater, buscando re-alcançar seu auge. Do outro lado, Taylor Moton é uma peça de confiança e o melhor lineman da equipe. Os jogadores da parte interna precisam evoluir para a linha, como um todo, ter sucesso.

>>Conheça a história do Carolina Panthers

Uma defesa jovem com enorme potencial

Carolina conta com uma defesa jovem em constante evolução (Foto: Reprodução/Site oficial Carolina Panthers)

Se existe um setor na equipe com elevadíssimo potencial, esse setor é a defesa. Recheada de jovens jogadores selecionados em posições altas nos drafts recentes, o grupo de Carolina inspira esperança ao torcedor. Alguns dos jovens prospectos do time já mostraram seu valor em 19′. Brian Burns teve 8.0 sacks e deve continuar evoluindo em seu segundo ano. Kawann Short, um pouco mais experiente, é um ótimo valor de linha defensiva e deve voltar ao alto nível após perder o último ano contundido.

Derrick Brown, DL de Auburn, foi a primeira seleção da equipe no último draft e apresenta um potencial enorme e deve de impactar a defesa imediatamente na parte interior da linha. Seu tamanho, força e atleticismo deve incomodar muito as OLs adversárias (alguns olheiros comparam seu poder de jogo com o de Aaron Donald). Shaq Thompson e Tahir Whitehead devem liderar o corpo de linebackers, contando com a ajuda situacional dos jovens Jermaine Carter e Andre Smith.

Na secundária, os novatos Jeremy Chinn e Troy Pride Jr. estão um pouco menos prontos, porém também apresentam alto potencial e devem ser inseridos aos poucos no grupo, de uma forma rotacional. Pride, inclusive, pode assumir um papel de titular antes do que o imaginado, tendo em vista sua provável competição com o problemático Eli Apple. Tre’ Boston deve ser o grande nome defensivo da secundária, atuando como safety principal da equipe no centro do campo e chegando “empolgado” por seu novo contrato.

O que esperar do head coach Matt Rhule?

Após bom trabalho como treinador da Universidade de Baylor, Matt Rhule chega para iniciar uma nova era em Carolina (Foto: Reprodução/Site oficial Carolina Panthers)

Poucos analistas vêem Rhule como um gênio esquemático, um guru tático, mas mais como um criador de programas, um “líder de elenco”. Esse é o papel que ele assumirá com os Panthers, mas ainda assim, ele terá sua influência sobre o esquema, o planejamento do jogo e a construção do elenco, sem dúvidas.

Sobre seu estilo de jogo, Rhule gosta de controlar o relógio, a posse de bola e ditar o ritmo da partida. Com um ataque terrestre poderoso através de Christian McCaffrey, espere que o treinador novato misture bem seu jogo corrido com chamadas de play-action para Teddy Bridgewater, explorando o principal ponto forte de seu QB.

Como apostar no Carolina Panthers em 2020

Ganhar o Super Bowl: paga R$ 126 para 1 segundo o Oddsshark.com..

Ganhar a Conferência: paga R$ 67 para 1 segundo o Oddsshark.com..

Ganhar a divisão: paga R$ 21 para 1 segundo o Oddsshark.com.

Vai até onde?

Em reconstrução total, apostando no desenvolvimento de jovens atletas (principalmente na defesa) e preenchendo aos poucos algumas grandes falhas no elenco, Carolina deverá passar por um ano complicado. A equipe certamente possui uma boa margem para evolução, entretanto, sem grandes expectativas, pois se encontra na estrelada NFC Sul de Drew Brees e Tom Brady.

PREVISÃO: 4º da NFC Sul (6-10)

Compartilhe!Share on Facebook
Facebook
Tweet about this on Twitter
Twitter

Comentários